Translate

SDC

terça-feira, 13 de setembro de 2016

A Ressaca

Faz agora precisamente um ano que senti o mesmo, uma espécie de ressaca deste mundo, destas loucuras, uma ressaca diferente mas igual às outras todas, onde o álcool ou as drogas são substituídos por picos de adrenalina, um medo de não voltar a senti-la, uma sede de repetir, saber que a nossa vida não é e não pode ser igual a estes 3 meses que passaram. Voltar à rotina, saber que não podemos sair TODOS os fins-de-semana, que não podemos ir a TODAS as festas, sentir uma “inveja“ tímida de todos os que foram à festa que eu tanto queria ir!!

Sim, sinto-me infantil, tonta e até parva...
Sim, sou mimada...
Sim, sou tarada...
Sim, sou Gaja...

Depois as horas e os dias passam e tentas fazer aquele exercício mental estúpido típico desta altura do ano, em que te tentas convencer que as coisas têm mesmo de mudar, que as aulas dos miúdos vão começar e que a “má vida" tem de acabar. Afinal de contas não és viciada nisto, consegues viver sem o swing, blá, blá, blá……tretas!!


Ao mesmo tempo sentes suores frios, desejo e uma vontade enorme da puta da loucura, sentes vontade de repetir aquelas fodas no meio da pista, aquele bodyshot, sentes falta de gemer alto e daqueles fluidos a escorrerem-te pelas pernas abaixo…fhum!!
Depois vêm as memórias dos momentos fantásticos que passaste, das noites que não dormiste, dos 1000 cafés que tomaste porque passaste o fim-de-semana a foder.  

Talvez ate sinta medo, sim medo de ser esquecida, medo de não voltar a ser como foi então surge a insegurança de uma mulher, que todos dizem tesuda, mas que neste momento se sente como o patinho feio com a "lágrima no canto do olho" porque quer sempre mais e mais e mais e não pode só porque a vida é assim mesmo.

Como diz um amigo meu SAFODA!! Vou continuar a ser viciada...vou continuar a ser tarada...vou, mas sei que para me sentir bem e realizada tem de haver equilíbrio e que esse equilíbrio é muitas vezes posto à prova!! 

Festas há muitas e a melhor é sempre a que está para vir. ;)

Beijinhos e abraços,




sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Check-IN...Para o expresso do oriente!!

Desde que começamos a falar na possibilidade de um dia entrarmos num clube de swing, que formámos na nossa mente uma ideia de glamour, sensualidade e bom gosto, muito à imagem daquilo que o cinema e alguns artigos nos ofereciam. Se por um lado abunda a informação sobre as regras, dress codes, funcionamento e até sobre alguns clubes a verdade é que na maioria dos casos o primeiro impacto fica muito aquém da fantasia.  Foi assim durante algum tempo, até que decidimos arriscar, sair da nossa zona de conforto e rumamos sozinhos um pouco mais para Norte, para descobrirmos o clube que nos conquistou e deslumbrou desde o primeiro instante. Lembramo-nos perfeitamente de olhar um para o outro e sorrir....sim finalmente tínhamos encontrado o clube com o qual tínhamos fantasiado desde que o termo swing entrou nas nossas vidas, caso para dizer ficamos ÍNtimos deste espaço único. ;)

Um espaço bem pensado, com muito bom gosto e requinte, amplo, muito animado e cheio de pessoas interessantes e sensuais, que nos despertou para um mundo tão diferente daquele a que estávamos habituados. O primeiro impacto foi assim, hipnotizante, como quem sente a luz nos olhos pela primeira vez, afinal tudo o que conhecíamos neste meio eram alguns rasgos de luz e agora estávamos frente-a-frente a um diamante bem polido e cheio de brilho e glamour. Possivelmente foi dos nossos olhos, mas a noite com o tema "bondage" conquistou-nos pela diversão, pela festa e pela simpatia da clientela e do staff. A forma profissional e ao mesmo tempo muito carinhosa como fomos recebidos é uma característica muito própria deste clube, aliás de todos os clubes que conhecemos apenas outro se pode equiparar e é no detalhe e atenção aos pormenores que se constroem grandes casas.

A segunda festa a que fomos foi à famosa Eyes Wide Shut, já tínhamos ouvido tanto sobre esta festa e como adoramos ambientes de casa cheia e muita diversão, preparamos o dress code, máscaras e capas e rumamos ao Norte. Na altura ainda com algum nervoso miudinho, afinal elas iam estar apenas de lingerie, máscara e capa, o que passou rapidamente pois num ambiente onde o dress code é cumprido à regra ninguém se sente deslocado e cria-se um ambiente mágico e de uma sensualidade extrema. Não somos propriamente fãs do filme Eyes Wide Shut, mas a verdade é que ambiente provocado pelo ritual encenado pelo staff, a animação com direito a vários shows de strip, o ambiente criado pelo DJ de serviço e o show com violino deram o mote para uma noite que recordamos como muito sensual e divertida. Tão divertida que acabou num sofá algures no corredor junto aos privados ...quem sabe se a nossa veia exibicionista não se desenvolveu aí mesmo? O gosto pelas festas Eyes Wide Shut temos a certeza que veio daí...«Eyes Wide Shut...we're IN»

Este ano estivemos um pouco mais ativos nas saídas e decidimos aproveitar o pouco tempo disponível para conhecer outros clubes, no entanto e sem quaisquer planos acabamos por voltar àquele que é, apenas um dos, senão o melhor clube de swing do país. Apanhamos, ou fomos apanhamos, num comboio de loucura e diversão que abrandou às 5h, apenas para mudar de roupa  e de linha e que nos fez voltar à casa que continua a ser a nossa referência neste meio...uma dupla surpresa e uma das viagens de comboio que ficará para sempre na nossa memória. :)

A diferença para a maioria dos clubes é abismal, há qualquer coisa de maduro e muito seguro que nos agrada, um espaço com 10 anos de existência, por onde já passaram várias gerações, onde nos divertimos em ambiente de casa cheia, onde já jantamos e tomamos o pequeno almoço em ambiente quase familiar, onde já vivemos noites de perfeita loucura e muito sexo na companhia de amigos, conhecidos e até desconhecidos...aqui apesar de nada ser obrigatório, literalmente tudo é possível.

Claro que é um clube exclusivo para casais, casais swingers, seguros de si e da sua relação, capazes de viver as noites de maior loucura num ambiente selecionado sem nenhum tipo de snobismo ou elitismo. Aqui respira-se o swing de uma forma muito aberta, vive-se sem nenhum tipo de pudor, sem julgamentos, apenas diversão e intensidade ao máximo...seja junto ou em cima do bar, seja num dos privados com a porta fechada. Já vivemos e experimentamos as duas vertentes, algumas das noites que aqui passamos marcaram-nos, fizeram-nos descobrir novas formas de prazer, novas sensações e novas fantasias e moldaram-nos a consciência e os limites do prazer. Aqui sentimo-nos em casa e a única certeza que temos é que definitivamente "não há amor como o primeiro", por isso e porque nos apetece, deixamos aqui a nossa homenagem e os nossos parabéns por uma década de existência e muito swing!



PS: Sai um cafezinho?...sexcofee para nós SFF!! ;)


Beijinhos e abraços,