Translate

SDC

sábado, 4 de janeiro de 2014

A dúvida...e a excitação...



Voltar à realidade depois de uma loucura é sempre difícil e desta vez não foi exceção, sentíamo-nos a flutuar e as emoções, a loucura e a fantasia tomaram conta de nós nos primeiros dias depois da nossa primeira visita a um clube de swing.

Os dias e as semanas foram passando e estávamos novamente cheio de vontade de experimentar, afinal é um mundo completamente diferente do que conhecíamos e depois de digeridas todas as sensações do primeiro impacto, percebemos o que gostamos, o que não nos tinha agradado e fizemos o trabalho de casa. Conversamos e fomos falando on-line com outros casais, agora como membros registados do clube.

Combinamos uma nova data para visitamos pela segunda vez o clube e desta vez eu estava cheio de vontade de experimentar mais do que apenas a pista, afinal apesar de ser um clube de swing, nada nos impedia de fodermos um com o outro…sim, apetecia-me foder a A no clube!!

Durante os dias que antecederam a nossa visita, fomos procurando roupa para cumprir o dress code, melhoramos o nosso álbum de fotos, fantasiamos, não paramos de nos agarrar, sempre com olhares cúmplices e apesar dos filhos, do trabalho e de tudo aquilo que faz parte da nossa vida, a tesão um pelo outro continua a ser qualquer coisa de fabulosa….18 anos depois é cada vez melhor.

O dia escolhido era, para não variar, dia de jantar fora com amigos e possivelmente uma saída sem hora de chegar a casa…para simplificar só tínhamos de ir a casa, tomar banho, trocar de roupa e preparar tudo para uma noite muito especial, desta vez o tema era a noite das “mães Natais” :-)

Jantamos, bebemos, eu menos a A um pouco mais, divertimo-nos muito e se a noite acabasse por ali tinha sido certamente uma noite memorável, mas não acabou, a verdade é que ainda mal tinha começado e depois de alguns minutos, estávamos à porta de casa, novamente numa noite gelada, mas connosco bem quentes e agora com a certeza do que queríamos.

O fato de mãe natal, by lojas chinesas, não deixava perceber a lingerie sexy por baixo, mas a visão daquele conjunto com meia preta, bota de cano alto, perfume sensual e um brilho nos olhos foram o suficiente para me deixar completamente excitado e não demorei muito a perceber que não era o único…afinal a minha mãe Natal estava já bem molhadinha.

Seguimos em direção ao clube, excitados, muito excitados e desta vez logo direitos à entrada. Estacionamos e seguimos direitos à entrada, desta vez com menos nervos, muito menos nervos e a certeza de que independentemente do que acontecesse nos íamos divertir e aproveitar tudo, afinal aqui tudo pode acontecer, mas não somos obrigados a nada. Antes de entrar a A, dá um salto e diz “porra, não trouxemos a prenda!”, ora merda, tanta coisa a comprar o vestido, a lingerie e uma prenda para trocar e afinal deixamos a prenda em casa…merda, merda, merda… :-((

Entramos, explicamos o lapso e pedimos desculpa, os nossos anfitriões, dizem-nos que não há problema e seguimos para a zona de pista…afinal a distribuição das prendas vai começar e nós não temos de subir ao palco para ir buscar uma…afinal até suspiramos de alívio por nos termos esquecido, foi pena, mas ainda bem. Sorrimos e aproveitamos para ir buscar uma bebida.

Depois de algum tempo na pista de dança, depois da “minha” mãe Natal ter sido raptada para dançar com as outras mães Natais, aproveitei para dar um salto ao bar e olhar ao meu redor. Decididamente o ambiente parecia-me diferente, não sei se era eu ou se estava mesmo diferente, uma coisa é certa, gostei mais. Entretanto fui seguindo a dança das mães Natais e diverti-me a ver uma mãe Natal muito especial…estava a divertir-se e isso era bom, adoramos olhar nos olhos um do outro e aquele olhar consegue ferver-me o sangue em poucos minutos.

Decidimos dar uma saltada à zona dos quartos, metemos a nossa cara de “casal cool” e subimos ao primeiro andar, o plano era simples, descobrir um quarto, foder que nem doidos e ir para casa com um sorriso enorme! Claro que uma coisa é o que nós queremos, outra é o que acontece mesmo. Chegamos ao cimo das escadas e damos de caras com um casal no maior amasso e à espera que um quarto vagasse. Azar, do Diabo…os quartos todos cheios, festa no quarto das orgias, fila de espera e nós sem senha tirada. Ficamos no impasse, esperamos no corredor, imitamos os amassos ou descemos, bem nem houve dúvidas a A disse logo, bora não vamos ficar aqui!

Fomos até um dos sofás, desta vez mais perto do bar e fomos curtindo o ambiente e continuando os amassos…lá porque os quartos estavam ocupados não deixamos de estar bem excitados por estar ali, os dois num clube de swing…o ano ia mesmo acabar em grande! :-)

De repente um casal aproxima-se e pergunta se se podem sentar, metem conversa, simpáticos, giros e muito bem dispostos…sentimos logo um à vontade enorme com eles, afinal já tinham alguma experiência no swing e é sempre bom perceber como tudo funciona. A conversa flui de forma simples e de repente estamos a falar com o maior à vontade, sem nervos e vamos contanto como começamos, a nossa primeira visita, vamos brincando e vamos sentindo que afinal no swing há casais normais como nós…ligeiramente mais velhos que nós e ambos muito giros, (mais tarde a A disse-me que gostou muito do olhar dele), eu olhei com atenção para ela, uma mulher muito bonita, discreta mais muito sensual….dizem que os olhos são o espelho da alma, não sei se é verdade mas gostei do que vi. De volta à realidade, eles tinham de trabalhar no dia seguinte, bem cedo e decidimos terminar a noite por ali…afinal fomos ao clube, sem stress, sem nervos, sem dramas, divertimo-nos, excitamo-nos e conhecemos um casal giro e que nos agradou…muito, agradou-nos e muito.

Na saída ainda encontramos mais alguns casais que estavam à espera dos casacos e a A foi trocando algumas impressões, mais casais normais, alguns com histórias parecidas à nossa, outros que ainda não tinha tido qualquer experiência…saímos com a sensação, de que afinal somos bem normais, mas com vontade de nos voltarmos a encontrar com este casal, olhamos um para o outro no carro e sorrimos. Química…será que foi química, ou estavam apenas a ser simpáticos connosco?

Ficou a dúvida durante toda a viagem, chegamos a casa, fizemos amor e não resistimos…toca a procurar o perfil no clube e a mandar uma mensagem…gostamos, gostamos muito e gostávamos de os voltar a ver!

Aguardamos pela resposta, excitados, muito excitados. Estamos a adorar o swing…estamos fans e a excitação sobe novamente…

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

A primeira visita a um clube de swing

Depois de todos os preparativos feitos, inscrição feita, ligação da A para o clube para confirmar a veracidade do casal, escolhemos o dia e começou a contagem decrescente.

O dia escolhido tinha como tema da festa o "Bi feminino" e foi no mesmo dia em que tínhamos um jantar, afinal sempre nos facilitava a logística com os pequenos e ficávamos com a noite por nossa conta. A primeira e grande dificuldade foi escolher o que vestir...a A começou a pesquisar na Internet e rapidamente descobriu que não há coisa mais vaga do que saber o que vestir num clube de swing e logo em pleno Inverno...em todos os sites recomendavam roupa sexy e saias, mas quem conhece as mulheres sabe que estávamos face a um enorme desafio! :-))

Roupa quase escolhida, muitos olhares cúmplices um com o outro e lá nos vestimos para jantar, depois viríamos a casa e trocávamos de roupa...sim porque ir para um jantar de mini-saia, casaco de cabedal apenas com duas peças de lingerie por baixo estava definitivamente demasiado hardcore para um jantar social com amigos...da minha parte, aliás para nós homens, escolher roupa é a coisa mais fácil, calças pretas, camisa e sapatos, resultam sempre bem.

Depois do jantar e quando chegamos ao carro, olhamos um para o outro e nem foi preciso dizer nada, foi aquela sensação "ui é agora, chegou a hora!". Fomos a casa, tomamos banho, vestimo-nos e a A preparou-se para sair...nesta fase só pensava "que se lixe o clube, quero comê-la já e agora", felizmente alguém teve juízo e seguimos caminho, afinal já eram quase 2h da madrugada...

Quando chegamos, telefonema da praxe e aguardar pela chegada dos anfitrião. A espera demorou uma eternidade, os minutos pareciam horas, as horas séculos...ainda tentamos quebrar o silêncio com conversa de circunstância e algumas piadas, mas nada funcionava...até que chega um carro, para ao nosso lado e apresenta-se e diz-nos "sigam-me é aqui pertinho". Os olhos da A estavam enormes e com aquela cara "ai...onde é que nos vamos meter!", mas lá seguimos caminho, estacionamos e dirigimo-nos à porta, eu só pensava, mas "onde raio é que nós estamos, isto não era nada do que eu tinha imaginado, um clube de swing aqui?".

A porta abre-se e tudo muda, de um local totalmente insuspeito e da noite gelada passamos para um hall de entrada e estamos na recepção, quente, bem decorada e com música abafada vinda do interior. Imediatamente vêm-nos cumprimentar, a nossa anfitriã, apresenta-se, entra outro casal e de repente estamos num clube de swing..."agora é que são elas", olho para a A, está com os olhos bem abertos com os nervos à flor da pele e a absorver tudo. Entregamos os casacos, recebemos o cartão de consumo e a primeira pergunta do nosso anfitrião é para a A e é mais direta do um tiro de caçadeira, "és bi?". Bem nós já nos tínhamos esquecido do tema da noite, "Bi feminino" e a A responde qualquer coisa como "bem, não sei...curiosa talvez", a cara dela fica com aquela expressão que eu bem conheço, olhos arregalados, sorriso nervoso, mas sexy ao mesmo tempo, comprimo o riso e sorrio pensando "isto vai ser lindo vai...e ainda não passamos da entrada". Ora na noite bi as mulheres bi recebem uma pulseira fluorescente e a A recebe a dela e chega a nossa anfitriã para tão esperada visita ao clube...

A visita foi rápida, explicaram-nos as regras de funcionamento do clube, mostraram-nos os quartos, a zona comum, jacuzzi, balneários, pista de dança bar e mais não sei o quê...sinceramente não devo ter ouvido nada e tenho a certeza que não fui só eu...estávamos a absorver tudo mas sem atenção a nada, afinal só estavamos num CLUBE DE SWING e a nossa anfitrião cheia de simpatia e com a maior calma a explicar-nos como tudo funcionava...a calma dela contrastava com os nossos olhos esbugalhados e o nervoso miudinho..."nós num destes quartos, não me parece...". Terminada a visita ficamos na zona de bar e começamos realmente a olhar à nossa volta, a lembro-me de olharmos um para o outro e sorrir-mos, afinal estávamos mesmo num clube de swing...e as pessoas à volta eram da maior normalidade e de todas as idades.

Bem a primeira reacção foi de choque, não de choque pelo ambiente, pelas mulheres mais ou menos despidas, mas sim pelo facto de vermos tanta gente "normal", podiam ser os nossos vizinhos, tios ou amigos do trabalho. A mistura de pessoas, idades e aparências era enorme e o primeiro impacto de alguma desilusão, afinal sem sabermos tínhamos formado uma ideia de que haveria só gente bonita e sexy...não era uma questão de idades até porque conhecemos pessoas mais velhas e mais novas muito interessantes, mas naquela altura não vimos ninguém...muito sinceramente não vimos mesmo ninguém e a A diz-me "mas onde é que nós estamos E?!?".

Passado o primeiro impacto, lá fomos ao bar buscar duas bebidas...a A sempre atrás de mim não fosse alguém agarra-las à força :-) e deixamo-nos estar num dos cantos da pista. Até que começa a festa, afinal para além da noite Bi era também o aniversários de 3 mulheres e a festa estava mesmo a começar. A nossa anfitriã, pega em todas as meninas, na A também, e leva-as para junto do bolo...vejo uns olhos bem abertos e o sorriso que já conheço bem, agora ao estilo "socorro!!" e cantam-se os parabéns, corta-se o bolo e serve-se espumante. A A volta para perto de mim com um sorriso e pensamos, ok o pior já passou, mas a festa ainda não parou, as 3 meninas que faziam anos sobem para junto do varão e começa a dança. O nosso anfitrião apresenta-nos um casal e trocamos 2 palavras com eles quando ela sai a correr para a pista e começa a dançar com umas das aniversariantes. Bem a noite era do Bi feminino e as meninas na pista não deixam os créditos por mãos alheias e começamos a ver um show bem mais do que apenas eróticos, muitos beijos, pouca roupa e duas mulheres deitam-se no chão e começam-se a tocar, olho para o lado e vejo a A a esconder a pulseira com casaco, ela olha para mim outra vez com a expressão "socorro!!!". :-))

Terminado o show, volta tudo ao normal e procuramos um espaço para nos sentarmos, tira-se a pulseira afinal não era hoje que íamos saber se a A era o não Bi e naquela hora nem sequer era coisa que interessasse. Finalmente estávamos os dois, relaxados, bem pelo menos a tentar e sentados num sofá confortável...foi a melhor parte da noite, beijamo-nos, tocamo-nos e apalpamo-nos até ficarmos os dois a ferver, soube-me muito bem poder tocar na minha mulher, agarra-la e senti-la a ficar bem molhada e sentados num sofá sem que ninguém se interessasse por isso. A meio tive de lhe "rosnar" sim porque isto de estar aos beijos com uma mulher de olhos abertos a olhar para tudo o que se mexia é demais para mim. Um casal sentou-se perto de nós, sem sequer se importarem connosco, ouvimos alguns gemidos e depois gritos vindos das camas junto à pista de dança e a luz baixou quase até à escuridão...pensei "ok, já viemos a um clube de swing e sobrevivemos". :-))

Decidimos beber mais um copo e ir embora, afinal a noite tinha sido diferente e apesar do primeiro choque na entrada o ambiente era muito bom e sentimo-nos muito à vontade, pelo menos quanto se pode sentir numa primeira visita a um clube do género.

Enquanto nos dirigimos para o bar, um casal, sentado, aborda-nos e convida-nos para beber um copo. A primeira reacção foi dizer que estávamos de saída, mas eles insistem e perguntam "é a vossa primeira vez num clube não é?", desarmam-nos e rematam com "sentem-se, bebemos um copo e conversamos, sem compromissos"...lá concordamos e vamos buscar as bebidas. Enquanto pego nas bebidas a A olha para mim e diz "tu cala-te, 2 min e vamos embora, não quero ter de te arrastar!"...eu conheço aquela expressão e concordei imediatamente, o casal é simpático mas definitivamente não é o nosso tipo...seja lá o que isso quiser dizer...

Passam 2 minutos, 5, 30, 1 hora e continuamos na conversa, eu sempre de olho nela a ver quando me arrastava dali para fora, mas surpreendentemente está relaxada e na conversa com o casal, não são o nosso tipo, mas é bom poder conversar e ouvir algumas das experiências de quem já passou pelo que nós estamos a passar. Num instante em que somos interrompidos por outro casal, faço-lhe sinal e ela responde-me que está tudo OK...suspiro e relaxo! Quando retomamos a conversa ele pergunta-nos se fomos aos quartos lá acima, ao qual respondemos que não...a verdade é que não tivemos coragem para ir espreitar outro casais a foder, (lá em casa fala-se assim e aqui não vou escrever de forma diferente!). Sugere-nos irmos até uma das zonas perto da pista, está lá um casa e não se vai importar que nós estejamos a ver...engolimos em seco e vamos....
Entramos num mundo à parte, no mundo de outro casal, deitados na cama em pleno sexo louco e desvairado...o casal pouco ou nada se importa com a nossa presença, os casal que está connosco coloca-se numa posição onde nos pode observar e começam a brincar entre eles, a A senta-se no meu colo e percebo que algo não está bem...deixou de estar relaxada e nem sequem está a olhar para o outro casal, olho-a nos olhos e percebo que é mais um olhar de "socorro!!!!" e desta vez é mesmo a sério. Levantamo-nos e saímos...merda, isto não foi fixe, aliás foi um desastre...pergunto-lhe o que se passou e ela diz-me que não gostou de ter o outro casa a avaliar-nos, sentiu que estava a invadir a privacidade alheia e que estava a ser avaliada...não gostou, não, não gostou mesmo e "foda-se vamos embora!".

Hora de pagar, despedir do casal e dirigir à saída...bem estávamos com pressa de sair e deixar aquilo tudo para trás, foram emoções demais para um dia só, eram 6h e estávamos exaustos...

Chegamos ao carro, olhamos um para o outro e a A diz-me "E esquece, isto não é para mim!"...arrancamos os dois calados e só falamos uns 15 minutos depois...não resisti e comecei-me a rir, "mais uma loucura, já fomos a um clube de swing!", o ambiente desanuviou e começamos a falar sobre a aventura do dia, do mês e quem sabe do ano....

Chegamos a casa e é quase dia, continua mito frio e nós não conseguimos dormir...acendemos a lareira e não consigo resistir, a A está linda e muito sexy e se nos abstrairmos da parte final da noite a visita ao clube até foi muito excitante...beijamo-nos e sentimo-nos muito excitados, fazemos amor à lareira e continuamos sem sono, falamos e realmente o casa que estava a fazer amor junto à pista era muito sexy, ela e ele...lembro-me que ela dizia "ai caralho, fode-me" enquanto ele a comia, continuamos a falar e acabamos por adormecer...

O nosso cérebro é uma máquina fabulosa e quando acordamos vamos falando e sorrindo...afinal é oficial somos uns grandes malucos e já fomos a um clube de swing. A A diz-me vai lá ao site ver se o registo já está activo e ver o que lá está. O registo ainda não estava activo, mando um e-mail a agradecer a simpatia dos anfitriões e vamos falando sobre o que gostamos e não gostamos...algo diferente nasce dentro de nós e a vontade de repetir volta. Sim é isso mesmo, temos de voltar com mais calma...menos de 24h depois da sensação de que o swing não é para nós, estamos com vontade de voltar e repetir a experiência. Afinal gostamos do espaço e a A sentiu que não se preparou o suficiente, afinal de todos os sites que lhe tinha enviado só leu as partes relativas ao que vestir...não deu a importância a uma frase muito simples e que rege este mundo secreto "no swing podem fazer tudo, mas não são obrigados a nada!"....é oficial vamos mesmo voltar ao clube!!

Beijos e abraços



quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

A decisão...

Como tudo começou...



Bem antes de nos iniciarmos naquilo a que ela gosta de se referir como a "nossa vida secreta", houve uma fase prévia onde discutimos o que gostávamos de alcançar, as nossas fantasias, receios e expectativas. Basicamente tínhamos uma ideia do que seria o swing, de poder ter relações com outras pessoas, o que sempre nos excitou, pois a ideia de poder introduzir uma ou mais pessoas na nossa relação fazia parte das nossas fantasias. Claro está que da teoria à prática vai uma distância enorme e uma vez que a oportunidade nunca surgiu de modo natural, acabou por ser apenas mais uma fantasia. A nossa vida é igual à de tantos outros casais, somos companheiros, pais, trabalhadores e a nossa vida é dividida por vários interesses...adoramos desporto, estar com amigos e em família o que nos ocupa muito tempo, especialmente porque temos uma família grande, filhos pequenos e adoramos estar com amigos e também um com o outro.

Num momento particularmente bom da nossa vida sexual e influenciados por um dos programas da hora do sexo na Antena 3, começamos a falar de relações abertas e do que seria, como seria...em jeito de brincadeira a A disse "bora ter uma relação aberta", ao qual eu lhe respondi "OK, mas é mesmo para avançar!"...o que começou quase como uma brincadeira nossa acabou por levar a uma conversa séria e fecharmos um acordo, ou seja como a A não sabia o que iria sentir de eu estar com outra mulher, combinamos que a primeira vez seria dela, ou seja a nossa relação passaria a ser uma relação aberta, no entanto seria ela a começar!

Do tema relação aberta para o swing foi um salto e a verdade é que a nossa única discordância estava na questão da oportunidade. Eu defendia que a melhor forma seria ir a um clube de swing pois sabíamos que o ambiente era propício e que todas as pessoas que lá estivessem estariam na mesma onda, afinal não me estava a ver a convidar amigos nossos para experimentar uma relação aberta ou uma noite de sexo e também não andávamos sempre em saídas o que reduzia as oportunidades de isto acontecer naturalmente...claro está que a ideia de a partilhar com outro casal também me agradava muito. Por outro lado a A sentia-se muito acanhada por ir a um clube de swing e que deveríamos esperar que as oportunidades surgissem, mas concordava que com a nossa vida seria difícil que acontecesse num futuro próximo. Uma coisa estávamos de acordo, nenhum de nós queria andar a marcar encontros às cegas e pela Internet...e fomos mantendo o impasse, investigando mais sobre as relações abertas, sobre o swing e sentimos que o calor entre nós não parava de subir...

Pouco tempo depois descobrimos que tínhamos um clube relativamente perto de casa, fizemos o registo no site e recebemos um e-mail a dizer que para confirmar o elemento feminino teria de ligar para lá e confirmar a veracidade do casal....a reacção dela a ter de ligar foi simplesmente de medo, muito medo :-))) Foi realmente uma aventura conseguir convencer a A a ligar para lá, o que só aconteceu uns dias depois. O gerente do clube foi muito simpático, perguntou se éramos swingers, se tínhamos experiência, explicou como funcionava o clube e deixou-nos à vontade para combinarmos um encontro para nos conhecermos e trocarmos algumas impressões. A reacção da A comigo foi qualquer coisa como, "combinar café com eles? e se entra alguém conhecido? nem penses!!" e assim se passaram mais umas semanas de conversa discussão e muita provocação parte a parte :-)

Quando finalmente decidimos que íamos mesmo ao clube e como ficou em aberta a possibilidade de irmos directamente lá sem o tal cafézinho, ligamos os dois e combinamos que bastava ligarmos quando estivéssemos perto que depois alguém nos iria buscar ou nos indicaria o local onde nos devíamos dirigir. Daqui para a frente foi mesmo um misto de ansiedade, medo, nervos e muita excitação....afinal tínhamos decidido que íamos visitar o nosso primeiro clube de swing, para nós a maior loucura dos últimos tempos! :-)

...a primeira visita foi qualquer coisa de especial, mas isso fica para outro post! ;-)

Beijinhos e abraços