Translate

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Beija-me

Beija-me suavemente, com delicadeza, sem pressas. Quero antecipar os toque dos teus lábios macios, a textura da tua língua e o toque da tua saliva quente em mim....quero resistir-te, vou iludir-me e mentir-te quando te sussurrar ao ouvido que te vou resistir, que sou dono e senhor de todo o meu corpo e que não és capaz de me excitar. Minto-te porque sei que basta um toque do teu corpo para me descontrolar. Minto-te porque sei que adoras sentir-me rijo e teso por ti, pronto a levar-te à loucura e a viveres as tuas fantasias mais loucas. Minto-te porque ambos sabemos que neste ponto já não há retorno, que o beijo e a excitação percorre já o nosso corpo e o que começa com um desafio, um beijo tímido, rapidamente se transforma. As bocas e a saliva misturam-se, esfomeados um pelo outro, provando tudo como se fosse a nossa última vez, como se o hoje fosse um reencontro e uma despedida...provando-nos sofregamente, lábios bem abertos, língua esfomeada, dedos bem presos, sugando o prazer, os gritos e os gemidos um do outro até explodirmos num orgasmo, sem controlarmos os nossos fluídos, o nossos corpos e os nossos gritos. 

Sabes como gosto destes nossos momentos, quando nada mais importa, apenas o silêncio dos nossos corpos, ofegantes, exaustos, encharcados de prazer e saciados...voltar a sentir os corações a baterem com força no corpo, as marcas dos puxões, das arranhadelas e das palmadas a trazerem-nos de volta à realidade e dois sorrisos cúmplices a desenharem-se nos nossos rostos.

Agora já não quero beijos, agora quero devorar-te, provar-te, levar-te à loucura, abusar do teu corpo e ser dono de todo o teu ser...depois quem sabe, beijas-me suavemente, com delicadeza e sem pressas!




Beijinhos e abraços,




terça-feira, 25 de outubro de 2016

A Insegurança...

A insegurança é segundo os especialistas um estado emocional que surge na sequencia de uma situação que é entendida como alarmante ou ameaçadora. Na verdade é algo comum a todos os que que frequentam este meio, pois mais tarde ou mais cedo somos confrontados com as nossas próprias inseguranças. À medida que experimentamos, que nos expomos a novos registos e ao surgimentos de novas ligações emocionais é normal que pequenas fragilidades surjam, daí a necessidade de muitos casais em definir estratégias e limites para minimizar o efeito dessas inseguranças e os seus efeitos mais adversos.

Dada a nossa forma aberta e relaxada de encarar este lado "secreto" das nossas vidas, optámos por não definir nenhum conjunto de regras, para além das básicas do respeito mútuo, da comunicação permanente e a de não fazer fretes, afinal estamos aqui para nos divertir e somos as mesmas pessoas dentro e fora do swing. Esta postura, não é consensual para muito casais, mas é a nossa e da mesma forma que respeitamos todas as filosofias de vida, nós apenas exigimos que respeitem a nossa. Amamo-nos, somos apaixonados um pelo outro, somos amigos, confidentes, cúmplices, sem nunca perder a nossa individualidade, os nossos gostos, desejos, fantasias, sonhos, ambições e fragilidades...partilhamos a vida como casal, no entanto não perdemos a nossa individualidade e como indivíduos criamos ligações que vão muito para além das que se estabelecem na cama, criam-se verdadeiras amizades, como todas as amizades devem ser, com carinho, com preocupação mútua e com amor, sim amor, porque o amor é muito mais do que o amor romântico entre 2 pessoas.

De todos os momentos menos felizes que passámos neste meio, nunca esteve em causa o nosso amor um pelo outro, a nossa paixão um pelo outro, ou sequer a ideia de largar tudo por esta ou aquela pessoa. A nossa vida é muito mais do que bom sexo, do que amizade ou até alguma cumplicidade, a nossa vida foi construída de vitórias, derrotas, momentos de felicidade e tristeza que ultrapassamos juntos e que nos fizeram crescer e maturar de tal forma que nos permite viver este meio sem nenhum tipo de regras ou tabús!

Quanto às inseguranças elas surgem repentinamente, por vezes sem aviso e ambos já sofremos na pele os efeitos das nossas próprias inseguranças e os efeitos das inseguranças de outros. Todos já passámos por isso, o caso típico da nossa insegurança que desperta em nós a motivação para mudar algo em nós que achamos "inferior". Claro que a imagem que temos de nós nem sempre corresponde à imagem que os outros têm de nós...e é nessa ilusão que por vezes perdemos o controlo sobre o que sentimos. É aqui que surgem os ciúmes e as atitudes irracionais, deixamos de ter controlo sobre o que sentimos e apenas importa garantir a nossa posição de primazia e exclusividade, o ciúme é fodidoooo!! :\

Ambos já sentimos ciúmes e já fomos alvos de ciúmes alheios, em ambas as situações há um denominador comum, há sempre alguém que vai ser magoado e tratado de forma injusta. o monstro cresce e a lógica e a amizade são substituídos por instintos básicos, irracionais e por vezes cruéis.

A capacidade de transformarmos as nossas fraquezas em forças é um processo por vezes difícil, demorado, complexo, mas possível e mesmo que nos obrigue a assumir as nossas próprias fragilidades e inseguranças, permite-nos ver que a perceção que temos de nós é muito diferente do que somos na realidade...resumindo temos de confiar em nós, na nossa relação e ter a capacidade e abertura para dialogar de forma franca e honesta sobre o que nos afeta.

Este meio não é apenas sexo, diversão e aventuras. A forma como lidamos com os nossos sentimentos e com os sentimentos de quem gostamos, determina muito do nosso caracter e testa-nos frequentemente...confessamos que às vezes não é fácil manter a calma quando só nos apetece mandar tudo à fava, mas o tempo é um ótimo conselheiro e "tudo passa"! ;)

Beijinhos e abraços,






terça-feira, 13 de setembro de 2016

A Ressaca

Faz agora precisamente um ano que senti o mesmo, uma espécie de ressaca deste mundo, destas loucuras, uma ressaca diferente mas igual às outras todas, onde o álcool ou as drogas são substituídos por picos de adrenalina, um medo de não voltar a senti-la, uma sede de repetir, saber que a nossa vida não é e não pode ser igual a estes 3 meses que passaram. Voltar à rotina, saber que não podemos sair TODOS os fins-de-semana, que não podemos ir a TODAS as festas, sentir uma “inveja“ tímida de todos os que foram à festa que eu tanto queria ir!!

Sim, sinto-me infantil, tonta e até parva...
Sim, sou mimada...
Sim, sou tarada...
Sim, sou Gaja...

Depois as horas e os dias passam e tentas fazer aquele exercício mental estúpido típico desta altura do ano, em que te tentas convencer que as coisas têm mesmo de mudar, que as aulas dos miúdos vão começar e que a “má vida" tem de acabar. Afinal de contas não és viciada nisto, consegues viver sem o swing, blá, blá, blá……tretas!!


Ao mesmo tempo sentes suores frios, desejo e uma vontade enorme da puta da loucura, sentes vontade de repetir aquelas fodas no meio da pista, aquele bodyshot, sentes falta de gemer alto e daqueles fluidos a escorrerem-te pelas pernas abaixo…fhum!!
Depois vêm as memórias dos momentos fantásticos que passaste, das noites que não dormiste, dos 1000 cafés que tomaste porque passaste o fim-de-semana a foder.  

Talvez ate sinta medo, sim medo de ser esquecida, medo de não voltar a ser como foi então surge a insegurança de uma mulher, que todos dizem tesuda, mas que neste momento se sente como o patinho feio com a "lágrima no canto do olho" porque quer sempre mais e mais e mais e não pode só porque a vida é assim mesmo.

Como diz um amigo meu SAFODA!! Vou continuar a ser viciada...vou continuar a ser tarada...vou, mas sei que para me sentir bem e realizada tem de haver equilíbrio e que esse equilíbrio é muitas vezes posto à prova!! 

Festas há muitas e a melhor é sempre a que está para vir. ;)

Beijinhos e abraços,




sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Check-IN...Para o expresso do oriente!!

Desde que começamos a falar na possibilidade de um dia entrarmos num clube de swing, que formámos na nossa mente uma ideia de glamour, sensualidade e bom gosto, muito à imagem daquilo que o cinema e alguns artigos nos ofereciam. Se por um lado abunda a informação sobre as regras, dress codes, funcionamento e até sobre alguns clubes a verdade é que na maioria dos casos o primeiro impacto fica muito aquém da fantasia.  Foi assim durante algum tempo, até que decidimos arriscar, sair da nossa zona de conforto e rumamos sozinhos um pouco mais para Norte, para descobrirmos o clube que nos conquistou e deslumbrou desde o primeiro instante. Lembramo-nos perfeitamente de olhar um para o outro e sorrir....sim finalmente tínhamos encontrado o clube com o qual tínhamos fantasiado desde que o termo swing entrou nas nossas vidas, caso para dizer ficamos ÍNtimos deste espaço único. ;)

Um espaço bem pensado, com muito bom gosto e requinte, amplo, muito animado e cheio de pessoas interessantes e sensuais, que nos despertou para um mundo tão diferente daquele a que estávamos habituados. O primeiro impacto foi assim, hipnotizante, como quem sente a luz nos olhos pela primeira vez, afinal tudo o que conhecíamos neste meio eram alguns rasgos de luz e agora estávamos frente-a-frente a um diamante bem polido e cheio de brilho e glamour. Possivelmente foi dos nossos olhos, mas a noite com o tema "bondage" conquistou-nos pela diversão, pela festa e pela simpatia da clientela e do staff. A forma profissional e ao mesmo tempo muito carinhosa como fomos recebidos é uma característica muito própria deste clube, aliás de todos os clubes que conhecemos apenas outro se pode equiparar e é no detalhe e atenção aos pormenores que se constroem grandes casas.

A segunda festa a que fomos foi à famosa Eyes Wide Shut, já tínhamos ouvido tanto sobre esta festa e como adoramos ambientes de casa cheia e muita diversão, preparamos o dress code, máscaras e capas e rumamos ao Norte. Na altura ainda com algum nervoso miudinho, afinal elas iam estar apenas de lingerie, máscara e capa, o que passou rapidamente pois num ambiente onde o dress code é cumprido à regra ninguém se sente deslocado e cria-se um ambiente mágico e de uma sensualidade extrema. Não somos propriamente fãs do filme Eyes Wide Shut, mas a verdade é que ambiente provocado pelo ritual encenado pelo staff, a animação com direito a vários shows de strip, o ambiente criado pelo DJ de serviço e o show com violino deram o mote para uma noite que recordamos como muito sensual e divertida. Tão divertida que acabou num sofá algures no corredor junto aos privados ...quem sabe se a nossa veia exibicionista não se desenvolveu aí mesmo? O gosto pelas festas Eyes Wide Shut temos a certeza que veio daí...«Eyes Wide Shut...we're IN»

Este ano estivemos um pouco mais ativos nas saídas e decidimos aproveitar o pouco tempo disponível para conhecer outros clubes, no entanto e sem quaisquer planos acabamos por voltar àquele que é, apenas um dos, senão o melhor clube de swing do país. Apanhamos, ou fomos apanhamos, num comboio de loucura e diversão que abrandou às 5h, apenas para mudar de roupa  e de linha e que nos fez voltar à casa que continua a ser a nossa referência neste meio...uma dupla surpresa e uma das viagens de comboio que ficará para sempre na nossa memória. :)

A diferença para a maioria dos clubes é abismal, há qualquer coisa de maduro e muito seguro que nos agrada, um espaço com 10 anos de existência, por onde já passaram várias gerações, onde nos divertimos em ambiente de casa cheia, onde já jantamos e tomamos o pequeno almoço em ambiente quase familiar, onde já vivemos noites de perfeita loucura e muito sexo na companhia de amigos, conhecidos e até desconhecidos...aqui apesar de nada ser obrigatório, literalmente tudo é possível.

Claro que é um clube exclusivo para casais, casais swingers, seguros de si e da sua relação, capazes de viver as noites de maior loucura num ambiente selecionado sem nenhum tipo de snobismo ou elitismo. Aqui respira-se o swing de uma forma muito aberta, vive-se sem nenhum tipo de pudor, sem julgamentos, apenas diversão e intensidade ao máximo...seja junto ou em cima do bar, seja num dos privados com a porta fechada. Já vivemos e experimentamos as duas vertentes, algumas das noites que aqui passamos marcaram-nos, fizeram-nos descobrir novas formas de prazer, novas sensações e novas fantasias e moldaram-nos a consciência e os limites do prazer. Aqui sentimo-nos em casa e a única certeza que temos é que definitivamente "não há amor como o primeiro", por isso e porque nos apetece, deixamos aqui a nossa homenagem e os nossos parabéns por uma década de existência e muito swing!



PS: Sai um cafezinho?...sexcofee para nós SFF!! ;)


Beijinhos e abraços,




sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Quero-te toda!

É nestes dias que fico prestes a explodir que tenho de me controlar para não abusar, para não te deixar a pele marcada, para não te castigar o corpo ao ponto de gemeres e de acordares a vizinhança com os teus gemidos, com os nomes que me chamas e com os berros de prazer...sim, tu berras, gritas, chamas-me nomes e isso deixa-me teso e com ainda mais vontade de te castigar, provocar, morder e agarrar com força, até as minhas mãos ficarem marcadas no teu rabo.

Já te disse que o sexo é como o sono....quanto mais fodo...tu sabes bem a vontade que tive de te foder quando acordamos do fim-de-semana, sabes que 2h de sono deixam-me novo e o teu perfume misturava-se com o teu cheiro a sexo das noites anteriores, foda-se, deixas-me a ferver com esse teu cheiro, sinto o coração a bater e o sangue parece que borbulha, sim o mesmo perfume com que adoro adormecer e acordar, que me desperta os sentidos há tantos, tantos anos....não te fodi ali, o colchão era curto, estavas de beicinho, tínhamos pressa e necessitávamos de voltar ao mundo real...sempre o mundo real a chamar, levantei-me e fui para o banho...

De volta ao mundo real e depois de uma semana de loucos, mesmo assim a vontade não diminuiu. Faltou o tempo e a oportunidade para te sentir como me estava a apetecer, falharam os planos, é sempre assim há sempre qualquer coisa que surge, alguém que acorda mais cedo, há sempre afazeres e quando chegamos à cama estamos exaustos...foda-se, quero-te, apeteces-me e vou-te ter, mas não te quero a correr, com gritos abafados para os vizinhos e os miúdos ao lado não ouvirem, não me quero conter para não te chamar puta, para não te foder com força, agarrar os cabelos e fazer-te sentir inteiro dentro de ti. Eu sei que adoras sentir-me todo, sentir as mãos no teu pescoço a agarrar-te com força até te dominar por completo, sei que adoras sentir os tomates a baterem-te com força e sentir-me a abrir-te por completo esse cú...gritas, berras, chamas-me nomes, mas eu sei que adoras vir-te dessa maneira, adoras que te foda até caíres para o lado, uma, duas, três...as vezes que forem necessárias até ficares exausta, a suarmos os dois e com o coração a bater bem forte, em silêncio e com o cheiro a sexo no ar.

Quero-te assim, mas hoje, como ontem e nos outros dias ficamos a meio....foda-se, soube bem, mas sabes que não sou de meias palavras, meios termos, meias fodas...por isso hoje não foi uma foda, tenho o teu sabor na boca e quero mais, quero-te muito mais do que apenas uns minutos antes da porta do quarto dar sinal....quero-te toda, sem limites e só para mim!! 





Beijo


quarta-feira, 17 de agosto de 2016

O pré-conceito e o preconceito

Todos, por mais liberais que nos achemos, criamos imagens e opiniões pré-concebidas de pessoas, locais, ou meios que não conhecemos ou que conhecemos vagamente. A verdade é que a nossa própria personalidade e por consequência a nossa sexualidade acabou por ser construída numa data de pré-conceitos que nos foram passados pela educação e pelo contexto social de onde crescemos. Dizemos pré-conceitos porque felizmente fomos conseguindo ultrapassa-los à medida que fomos crescendo, que nos fomos conhecendo e explorando e puxando pelos limites um do outro.


 É caso para dizer que a nossa entrada no meio começou muitos anos antes de nos termos iniciado, começou com os primeiros beijos, os primeiros orgasmos, os primeiros fetiches e desejos. Foram tantos e tão intensos, uns que se mantém até hoje e outros foram trocados por sensações cada vez mais fortes e intensas. Nesta viagem de descoberta caíram os primeiros pré-conceitos, a masturbação, o sexo anal, a dominação e tantos outros que um ou outro pensávamos ser exclusivos de gente "louca", tarados e viciados em sexo...felizmente crescemos!! :)


Com a entrada no meio, vieram novas sensações, novas formas de estar, novas emoções, ciumes, excitação, tesão e desejo, mas vieram também amigos novos, pessoas com quem possivelmente nunca nos cruzaríamos na rua, demos connosco a fazer amigos nas pessoas mais improváveis, a perceber que a imagem exterior nada têm a a ver com a pessoa que temos à nossa frente, caíram mais uma data de pré-conceitos, prevaleceu o desejo e em alguns casos a amizade. Como alguém nos disse uma vez "não é uma questão de idade, extrato social ou educação....é tudo uma questão de desejo e tesão, ou há ou não há!".  Felizmente o pré-conceito foi sendo substituído pela curiosidade e hoje, que já vivemos muito para além do que imaginávamos possível, podemos dizer que as primeiras impressões são importantes, mas é preciso ir muito além do óbvio...muito mesmo... Nem tudo gira à volta do sexo, nem todas as relações, amizades e conhecimentos são orientados ao sexo, aliás, só uma minoria de todas as pessoas com quem privamos acabam por partilhar a nossa cama, no entanto acabamos por fazer boas amizades, um lado do swing que poucos imaginam existir...lá está, as tais ideias pré-concebidas...


Felizmente nunca fomos de muitos preconceitos, alguns pré-conceitos sim, mas como todos crescemos e a vida ensinou-nos que nada é absoluto e isso fez-nos crescer e amadurecer aqui neste meio e na vida em geral, afinal qual era a piada de passarmos por tanto e não aprendermos nada, a mudança não é parte mais divertida da viagem? ;)

Na dúvida, arrisquem...se não gostarem à primeira dêm-vos uma segunda oportunidade para tomar o gosto!


Beijinhos e abraços,


segunda-feira, 8 de agosto de 2016

O Castelo...

O Castelo...



Desde que nos despimos de preconceitos e decidimos aventurar-nos por esta nossa vida secreta que temos imensa curiosidade por conhecer novos espaços e conhecer novas realidades e novos pontos de vista e por vezes quando menos esperamos surgem pessoas que nos conquistam, não só na cama como na vida...muito para além deste lado secreto das nossas vidas. 

Há já algum tempo que tínhamos curiosidade de rumar a Norte para conhecer um dos clubes que nos captou a curiosidade e do qual só tínhamos boas impressões....requinte, glamour e um toque clássico misturado com alguns traços góticos, acima de tudo um clube diferente e por isso mesmo, captou a nossa curiosidade.

Primeiro ato
Escolhemos uma festa com um tema apelativo e fomos conhecer um dos Castelos mais interessantes de Portugal. O acesso foi muito simples e rápido, com estacionamento privado chegamos sem nenhuma dificuldade e a primeira impressão foi realmente que cumpria com tudo o que nos tinham falado e visto on-line...um espaço muito bem adaptado, com todo o conforto e onde fomos recebidos como membros da realeza, com muita simpatia e carinho. Tanto de que imediato ficamos fãs deste que é sem dúvida um espaço único no panorama swinger em Portugal. A noite foi muito divertida, reencontramos amigos, fizemos novas amizades e em nenhum momento nos sentimos à margem do clube e dos seus frequentadores habituais, o que diz bem da simpatia e forma calorosa como fomos recebidos.


Os pormenores desta noite ficam para nós, digamos apenas que tivemos direito a um reencontro com amigos muito especiais, que estivemos muito bem comportados, sem grandes abusos e com aquela dose de loucura qb que nos proporcionou uma noite muito divertida e que nos deixou curiosos para a próxima visita, até porque ficamos curiosos por mais...

Segundo ato
Quando gostamos adoramos repetir a dose e foi isso mesmo que fizemos, aproveitando a desculpa da noite Eyes Wide Shut, combinamos uma nova ida...com mais calma, com tempo para sairmos para jantar, colocar a conversa em dia e com tempo para irmos aproveitar uma festa temática que adoramos e que não nos cansamos de repetir. O jantar foi como sempre muito divertido, num local muito agradável e com muita sensualidade, com um toque clássico e muito apetitoso. Falámos de tudo, até de sexo, da vida, dos filhos, ambições, desejos e aproveitamos para criar o ambiente para a festa e descontrair na companhia de bons amigos. Acima de tudo importa saber apreciar os bons momentos, retirar o máximo de prazer da vida, sem nenhum tipo de remorso, afinal como diz um grande amigo "daqui a uns anos não me quero arrepender das festas que não fui e das noites que não vivi!"...filosofia sábia! ;)

Chegamos ao clube pouco antes do ritual e  vestimo-nos como mandava o dress-code, eles de fato clássico, máscara e capa, elas de máscara capa e lingerie ou apenas de lingerie...optamos por fato clássico e apenas lingerie, a veia exibicionista a vir ao de cima, mas sempre com muita sensualidade e o glamour possível. O clube já estava composto e fomos até ao bar aproveitar os momentos antes do ritual...temos que confessar que mais que o ritual neste tipo de festas seduz-nos o glamour e o dress-code obrigatório, é uma noite onde o ambiente é de alguma forma mais carregado sexualmente e o desejo, a luxuria e o mistério andam de mão dadas.

O Ritual é um dos pontos de interesse da noite, mas o que vem depois é muito mais interessante, corpos sensuais, muita sedução e a noite começa a ganhar outra dimensão, aquela dimensão do tudo pode acontecer e definitivamente acontece...basta que nos deixemos levar pela emoção e entregarmos o corpo e a mente ao prazer. A viagem ao Castelo teve várias passagens por vários recantos, fizemos novas amizades e deixamo-nos levar no registo que ambos gostamos, sem planos, sem esperarmos, apenas 4 pessoas ligadas pelo prazer, sem limites e a aproveitar os bons momentos. Claro que a noite não podia terminar sem uma surpresa da Rainha do Castelo, sem aviso pega na Sra Nortada, deita-a no balcão e prepara um body-shoot digno da realeza...subiu novamente ao céu, um cocktail de exibicionismo e prazer. Sem dúvida a noite tinha sito novamente intensa, louca e saímos com a certeza que tínhamos encontrado uma nova casa no Norte! ;)


Finale...to be continued
Sem dúvida que é um dos Castelos que vale a pena visitar, um ambiente diferente de outros clubes que conhecemos, intimista, com um ambiente divertido e sempre surpreendente, que já nos fez voltar para mais noites de loucura e muito prazer....o Castelo é uma das nossas duas casa preferidas a Norte, onde se reúnem outros loucos como nós, loucos pela vida, loucos pelo prazer e loucos por aproveitar tudo a que temos direito sem arrependimentos, afinal "daqui a uns anos não nos queremos arrepender das festas que não fomos e das noites que não vivemos!"  ;)

Glow Party...ou o inicio de outro nível de loucura! ;)

Beijinhos e abraços,